Comando e controle no exército peruano: métodos, análise e o método inovador Awqa Humalliq

Este artigo foi publicado inicialmente na Revista Seguridad y Poder Terrestre
Vol. 2 No. 4 (2023): octubre a diciembre
DOI: https://doi.org/10.56221/spt.v2i4.42


Resumo

O conceito de comando e controle nas Forças Armadas (Forças Armadas) é amplamente utilizado, embora não seja necessariamente conhecido por todos. Ele implica o exercício de autoridade e direção por um líder militar sobre seus subordinados. Além disso, dentro dessa esfera, há diferentes métodos de comando e controle, como o Mission Type Command e o Detailed Control. Esses métodos têm suas raízes nos conceitos prussianos conhecidos como Auftragstaktik e Befehlstaktik, respectivamente. Nesse sentido, o Mission Type Command é caracterizado por conceder autonomia aos subordinados para que tomem decisões no campo, com base nos objetivos gerais e na intenção do comandante. O Controle Detalhado, por outro lado, envolve uma supervisão rigorosa e a emissão de ordens precisas para a execução de tarefas. O método mais amplamente aceito é o Mission Type Command, que foi adotado tanto pelo Exército dos Estados Unidos (EUA) quanto pelo Exército do Peru (PE). Entretanto, uma análise cuidadosa identifica as vantagens e desvantagens de cada método, que dependem de vários fatores. Por fim, é proposto o método inovador de comando e controle Awqa Humalliq, que significa Líder Guerreiro. O objetivo é destacar a importância de o EP desenvolver sua própria doutrina, levando em conta as particularidades e as características únicas do soldado peruano.

Palavras-chave: Comando e controle, Comando de tipo de missão, Controle detalhado.

Introdução

Comando e controle é um conceito que tem sido amplamente utilizado por comandantes militares ao longo da história. Essa definição tem desempenhado um papel fundamental no planejamento, preparação, execução e avaliação das operações militares, bem como nas atividades de instrução, treinamento e administração. Entretanto, sua aplicação efetiva é condicionada por vários fatores diferentes.

O objetivo inicial deste artigo é abordar uma questão essencial por meio de uma análise de dois métodos de comando e controle: Mission Type Command e Detailed Control. O objetivo não é apenas fornecer uma compreensão clara desses métodos, mas também identificar suas vantagens e desvantagens a fim de fornecer uma perspectiva abrangente sobre sua aplicabilidade. Para atingir esse objetivo e fornecer ao leitor um contexto teórico sólido, foi realizada uma revisão completa dos principais conceitos, explorando sua evolução histórica e analisando as implicações etimológicas da tradução de mission command. Posteriormente, foi realizada uma interpretação abrangente das informações, abordando vários aspectos, como a aplicabilidade em operações lineares e não lineares. Dessa forma, foi justificado que o Mission Type Command não oferece necessariamente vantagens superiores em todos os contextos de exercício de comando e controle. No processo, foram identificadas as vantagens e desvantagens de ambos os métodos, considerando uma variedade de fatores.

O segundo objetivo do artigo foi propor um método de comando e controle projetado especificamente para EP, que se baseia em uma compreensão dos métodos mencionados anteriormente, juntamente com uma análise cuidadosa de suas vantagens e desvantagens. Esse método representa um esforço para otimizar a eficácia e a eficiência das forças armadas peruanas. Por fim, são apresentadas as conclusões da pesquisa.

Comando e controle

O conceito de comando e controle é amplamente utilizado nas forças armadas e tem sido exercido ao longo da história por todos os comandantes. De acordo com Alberts e Hayes,[1] as funções desse conceito se aplicam não apenas às forças armadas, mas também às empresas privadas.

Comando e controle envolvem o exercício de autoridade e direção por um comandante devidamente nomeado sobre uma força para o cumprimento da missão.[2] Em outras palavras, é uma forma de gerenciar e dirigir operações, em que o comandante militar toma decisões, transmite ordens e supervisiona sua execução com o objetivo de cumprir uma missão designada. Esse processo envolve o uso coordenado de recursos como pessoal, equipamentos, armamentos e logística em geral. Nesse sentido, é imperativo examinar os conceitos de “comando” e “controle”.

Com relação ao significado de comando, ele se refere à autoridade que o comandante exerce legalmente sobre seus subordinados em virtude de seu posto ou posição.[3] Ou seja, é legal e se baseia na estrutura hierárquica e nas regras estabelecidas pelas instituições armadas. Também inclui a responsabilidade pelo uso eficaz dos recursos disponíveis, bem como a responsabilidade pela saúde, bem-estar, moral e disciplina do pessoal designado.[4] Entretanto, é essencial não confundir comando com liderança. Embora as duas definições estejam intimamente relacionadas, o comando está ligado à autoridade e “a liderança é conquistada por meio da confiança, do respeito, da experiência e da competência”.[5]

É importante observar que, no exercício do comando, a tomada de decisões é fundamental, pois essas decisões serão traduzidas em ordens para a realização de operações militares.[6] Nesse sentido, a responsabilidade recai sobre o comandante de uma força, independentemente de seu tamanho.

Em relação ao controle, trata-se da regulamentação das forças e dos sistemas que operam no campo de batalha para cumprir a intenção do comandante. Também envolve a coleta, o processamento, a exibição, o armazenamento e a disseminação de informações relevantes que facilitam uma concepção ampla do ambiente operacional. Por outro lado, é importante observar que a ausência de controle pode levar à confusão, à desordem, à desorganização e, consequentemente, à perda de direção das operações.

O controle deficiente tem consequências significativas. Por exemplo, pode resultar na falta de coordenação de ações e decisões, levando a uma execução desorganizada. A falta de comunicação eficaz pode levar a decisões baseadas em informações incompletas ou, em alguns casos, a decisões precipitadas. Por outro lado, é fundamental que o controle seja flexível para se adaptar a novas situações e desafios variáveis. Um controle restritivo demais pode ter um impacto negativo sobre os funcionários subordinados, pois eles precisam tomar decisões em seus respectivos níveis. Por esses motivos, fica evidente que o comando eficaz é inatingível sem um sistema de controle eficiente.

Como o comandante tem a autoridade e a responsabilidade de tomar decisões, é ele quem exerce o controle para dirigir as operações e ajustá-las conforme as condições exigirem.[7] Portanto, o comandante desempenha um papel fundamental no exercício do comando e controle. É importante ressaltar que os meios de comunicação facilitam esse processo. De uma perspectiva mais geral, os comandantes não podem exercer o comando e o controle individualmente. Mesmo nos níveis mais baixos, os comandantes precisam de apoio para exercer o comando e o controle. Portanto, cada comandante tem um sistema de comando e controle que fornece esse apoio (Figura 1).[8]

Figura 1 Comando e controle

Fonte: Elaboração própria

Métodos de exercício de comando e controle

Neste ponto do estudo, é relevante esclarecer que os manuais do Exército dos EUA e alguns textos analisados para esta pesquisa referem-se ao Comando do Tipo de Missão como um método, conceito, filosofia ou função de guerra. Por outro lado, o PE refere-se ao comando de missão como uma filosofia ou função de combate. Nesse contexto, considerando que a definição de comando e controle evoluiu ao longo do tempo, a filosofia pode ser entendida como um conjunto de doutrinas[9] e o método como uma forma de agir ou proceder.[10]

A partir de agora, a filosofia de comando e controle será considerada como a definição dos valores e princípios fundamentais que devem orientar a vida do soldado, enquanto o conceito de método, no domínio militar, concentra-se em como aplicar esses valores e princípios.

Ao longo da história, os líderes militares têm usado variantes de comando e controle[11] ou metodologias específicas.[12] Portanto, o comando e o controle podem ser exercidos por meio da aplicação de diferentes métodos que se adaptam à situação específica, como os meios de comunicação disponíveis, o tempo disponível e até mesmo a personalidade do comandante. Nesse contexto, a tomada de decisões é considerada a fase culminante desse processo.

Da mesma forma, o propósito fundamental do comando e controle permaneceu constante, mas houve mudanças significativas na forma como essa função foi concebida e executada ao longo do tempo.[13] Atualmente, dois métodos de comando e controle podem ser identificados nas Forças Armadas: Comando de Tipo de Missão e Controle Detalhado.[14] Ambos têm suas raízes nos conceitos de “Auftragstaktik”, que significa “controle diretivo”, e “Befehlstaktik”, que significa “controle por ordem detalhada”. Eles diferem “principalmente” no grau de centralização do comando. O Auftragstaktik é caracterizado pelo controle mínimo e baseia-se na precisão da missão. Essa abordagem foi observada nos exércitos chinês e soviético. Por outro lado, a Befehlstaktik enfatiza um comando centralizado e dá ênfase à precisão das ordens dadas. Esse método foi usado pelos exércitos israelense e alemão durante a Segunda Guerra Mundial.[15] O comando do tipo missão tem suas raízes no conceito alemão de Auftragstaktik.[16] Não foi uma ideia introduzida no pensamento militar alemão por decreto, pois, longe de ser simples ou rápida, sua adoção foi um processo difícil e demorado.[17] Ele se originou no século XIX como resultado de uma análise feita pelos prussianos, após suas derrotas para a França, que identificaram que os franceses haviam obtido uma vantagem significativa com a rápida comunicação das intenções de Napoleão. Isso permitiu aos subordinados a liberdade de exercer a iniciativa de forma eficaz, o que intrigou os prussianos, razão pela qual incorporaram essa perspectiva em sua doutrina: “Se a execução de uma ordem fosse impossível, um oficial deveria tentar agir de acordo com a intenção por trás dela”.[18] Assim, os prussianos modificaram sua doutrina, deixando de lado a obediência estrita às ordens e aceitando os erros dos subordinados na realização de ações arriscadas. Isso destaca a importância da confiança dos superiores nos subordinados.

No Exército dos EUA, o conceito de Mission Type Command começou no início do século XX e evoluiu na doutrina. Em 1905, o primeiro manual de armas combinadas declarou: “Uma ordem não deve violar o campo do subordinado. Ela deve conter tudo o que vai além da autoridade independente do subalterno, mas nada mais. Se a transmissão de ordens envolver um tempo significativo, durante o qual a situação pode mudar, instruções detalhadas[19] devem ser evitadas”. Entende-se que as ordens fornecidas por um comandante não devem interferir ou entrar em conflito com as responsabilidades e decisões do comandante subordinado em sua própria área de operações.

A partir da análise da evolução doutrinária, foi extraído um texto de 1914 de vários documentos do Exército dos EUA que afirma: “Oficiais e soldados de todas as patentes e graus recebem um padrão inquestionável de independência na execução dos deveres designados e espera-se que demonstrem a iniciativa necessária para enfrentar as situações à medida que elas surgirem. Cada pessoa, desde o mais alto comandante até o mais baixo soldado raso, deve sempre ter em mente que deixar de tomar as medidas necessárias e ignorar oportunidades merecerá uma censura mais severa do que tomar uma decisão errada com relação aos meios.[20]

Outro texto do mesmo ano enfatiza a tomada de decisão na ausência de ordens e a compreensão da intenção do comandante: “Os comandantes de unidades subordinadas não podem alegar ausência de ordens ou falta de ordens como desculpa para a inatividade em uma situação em que a ação […] Se o comandante subordinado souber qual é o plano geral (o objetivo em vista), a falta de iniciativa de sua parte é indesculpável”.[21]

Nos manuais de 1939 e 1941, destacam-se os textos: “Ignorar oportunidades que se apresentam merecerá censura mais severa do que tomar uma decisão errada” e “Uma unidade subordinada não pode alegar ausência de ordens ou falha no recebimento de ordens como desculpa para a inatividade em uma situação em que a ação de sua parte é essencial”.[22]

Anos depois, no manual de operações de 1949, a iniciativa é destacada pela declaração: “Regras e métodos estabelecidos devem ser evitados. Eles limitam a imaginação e a iniciativa essenciais para a condução bem-sucedida da guerra”.[23] A título de exemplo, podemos mencionar os eventos da Primeira Guerra Mundial e o conceito de “guerra de trincheiras”. As táticas usadas naquela época estavam enraizadas em procedimentos tradicionais e rígidos que não estavam adaptados às condições da guerra moderna. Os comandantes seguiam padrões rígidos de avanço e ataque, o que limitava sua capacidade de imaginar novas formas de lidar com a guerra. Como resultado, muitas vidas foram perdidas.

O conceito de Mission Type Command foi desenvolvido em manuais americanos publicados em 1954, 1962, 1968, 1976, 1982, 1986, 1993, 2001 e 2003. Foi neste último ano que o conceito foi estabelecido como parte da doutrina oficial do Exército dos EUA até os dias atuais, estabelecendo-se como o conceito preferido de comando e controle.[24] Dessa forma, o Comando do Tipo Missão é definido como a abordagem de comando e controle do Exército que capacita os subordinados a tomar decisões descentralizadas e a executar de acordo com a situação.[25]

Além disso, como destacam Finney e Klug: “Antes de mais nada, o comando do tipo missão é uma filosofia de liderança. É uma mentalidade para liderar uma equipe de forma a facilitar que os seguidores exerçam a iniciativa de acordo com a intenção do líder. Mais especificamente, exige que os líderes forneçam uma visão do que desejam alcançar, juntamente com um nível mínimo de instrução que determina o como”.[26] Em outras palavras, é uma filosofia porque visa a dar poder aos comandantes subordinados, fornecendo-lhes objetivos claros e permitindo que tomem decisões criativas para alcançá-los. Entretanto, o comando do tipo missão não significa que os subordinados tenham liberdade total, mas permite que eles ajam dentro dos parâmetros da missão e da intenção do comandante, promovendo a iniciativa disciplinada.[27]

Além disso, o comando do tipo missão exige o cumprimento de princípios como: competência, confiança mútua, entendimento compartilhado, intenção do comandante, ordens do tipo missão, iniciativa disciplinada e aceitação de riscos.[28] Embora todos sejam importantes, a intenção clara e concisa do comandante conduz o processo de comando do tipo missão. Isso, por sua vez, ocorre em um ambiente em que o comandante subordinado desfruta de um alto grau de autonomia e recebe um nível limitado de instruções detalhadas (Figura 2).

Figura 2 Comando do tipo missão do ponto de vista do nível de autonomia do comandante subordinado e do nível de detalhamento das ordens

Fonte: Elaboração própria

Como se pode perceber, o Exército dos EUA adotou o Mission Type Command como uma metodologia de comando e controle.

No PE, o conceito de “comando de missão” é definido pela primeira vez no Manual de Planejamento de Operações Terrestres de 2015. [29] Posteriormente, o Manual Fundamental 6-0 Mission Command de 2019 enfatiza que “para funcionar de forma eficaz e ter maior probabilidade de cumprir a missão com sucesso, o comandante, com a ajuda de sua equipe, exerce o comando da missão durante todo o curso das operações e ações militares”.[30] Consequentemente, o chamado “comando de missão” é a metodologia de comando e controle adotada pelo EP.

Não há muitas pesquisas sobre o Befehlstaktik, mas ele é o “outro lado da moeda” do comando do tipo missão. A essência desse método é que o comandante emite ordens detalhadas, deixando pouca liberdade de manobra para os comandantes subordinados.[31] Como Eisel ressalta: “Os comandantes subordinados têm pouco ou nenhum espaço para flexibilidade”.[32]

Befehlstaktik é um termo alemão que significa “táticas baseadas em ordens”.[33] Nesse método, todas as unidades se movem e lutam de acordo com o plano. Nesse sentido, a chave para a vitória não é aproveitar a oportunidade, mas impor ao inimigo um ataque feroz usando um comando centralizado.[34]

Consequentemente, o Befehlstaktik, em contraste com o Auftragstaktik, era um método empregado até mesmo pelos soviéticos. Com ele, as ordens especificavam quem, o quê, quando, onde e como uma tarefa deveria ser executada. Como resultado, os comandantes exerciam uma supervisão detalhada sobre seus subordinados para garantir o alinhamento preciso entre o plano e sua execução.[35] Esse método é restritivo, pois a cadeia de comando é informada sobre por que, quando e, o mais importante, como a operação será realizada.[36] A ênfase aqui é que as ordens especificam o “como”, ou seja, elas reduzem a capacidade de tomada de decisão do comandante subordinado (Figura 3).

Figura 3 Controle detalhado do ponto de vista do nível de autonomia do comandante subordinado e do nível de detalhamento das ordens

Fonte: Elaboração própria

Comando de missão, comando de missão ou comando de tipo de missão?

É útil considerar a tradução mais precisa de “comando de missão”. Na maioria dos textos em espanhol, é usado o termo “comando do tipo missão”. No entanto, na doutrina do PE, o termo “comando de missão” é usado, conforme indicado no Manual Fundamental Mission Command de 2018. [37]

A discussão sobre a definição das palavras “comando” e “comando” foi resolvida no Decreto Legislativo nº 1268-2016. Embora ele se refira a assuntos da Polícia Nacional do Peru (PNP), o autor considera que as definições são consistentes. O comando permite que um superior se dirija a um subordinado em virtude de sua posição e hierarquia para dar ordens gerais, desde que não interfiram na missão ou função do subordinado. Comando é a autoridade do superior para dar ordens no desempenho de um cargo designado.[38] Enquanto o comando permite instruções gerais e se baseia na hierarquia e na senioridade, o comando se concentra em instruções específicas e está relacionado a responsabilidades atribuídas a cargos específicos.

Com ambas as definições em mente, fica claro que o termo a ser usado é “comando”. Agora, “comando de missão” ou “comando de tipo de missão”? Semanticamente, as duas frases podem ser entendidas como semelhantes, mas há uma pequena diferença na forma como as ideias são estruturadas e expressas.

A frase “comando de missão” sugere que o comando está diretamente associado ou vinculado a uma missão específica. O foco principal é a missão em si, e o comando é visto como parte integrante da garantia da execução bem-sucedida de uma determinada missão.

Por outro lado, a frase “Comando do tipo missão” enfatiza mais o método ou o tipo de comando empregado, que é semelhante ou parecido com o conceito de “missão” no sentido de delegação e autonomia na tomada de decisões. O termo “tipo de missão” destaca como o comando é exercido, sugerindo que a abordagem para a tomada de decisões e a delegação de autoridade é semelhante àquela usada em uma missão específica.

A diferença semântica está na perspectiva focada. Se o foco principal for o comando associado a uma missão específica, seria “comando de missão”. Se você quiser destacar o tipo de comando que se assemelha ao modo como uma missão seria tratada, seria “Mission Type Command”.

Considerando que se deseja destacar uma abordagem de comando descentralizada, a expressão “Mission-type Command” seria a mais adequada, pois sugere delegação de autoridade e autonomia na tomada de decisões pelos subordinados.

Análise: Comando do tipo missão ou controle detalhado?

O objetivo deste estudo é examinar as abordagens de comando do tipo missão e controle detalhado para entender e avaliar como esses dois métodos diferem em termos de delegação de autoridade, tomada de decisão, coordenação e eficácia da execução.

No comando do tipo missão, o comandante é responsável por comunicar aos subordinados suas intenções e os detalhes necessários para facilitar a coordenação, mas não entra em detalhes sobre como eles devem executar a missão. Ele espera que eles desenvolvam seu conhecimento, sua familiaridade com o terreno e sua experiência, desde que se mantenham dentro da intenção.[39] Em outras palavras, os comandantes subordinados têm um conhecimento detalhado da realidade no terreno, o que lhes permite ter uma compreensão completa de seus homens, do armamento, dos suprimentos e das limitações impostas pela área geográfica, pelas condições climáticas e pelo inimigo. Essas informações permitem que eles tomem decisões informadas e se adaptem às circunstâncias variáveis para obter sucesso.

No processo de planejamento, os comandantes são designados de forma ideal para tarefas específicas, levando em conta seu conhecimento, treinamento, experiência e iniciativa, a fim de garantir um bom desempenho. Esse conhecimento é adquirido por meio de treinamento e escolas de especialização, experiência em missões semelhantes e iniciativa que pode ser inata ou desenvolvida. Nesse sentido, é logicamente importante que o comandante conheça e confie em seus comandantes subordinados.

Um comandante subordinado tem a capacidade de tomar decisões acertadas porque é uma autoridade em sua área de responsabilidade. Isso se deve ao seu conhecimento, experiência e capacidade de lidar com os desafios que a situação apresenta.

Deve-se observar que a abordagem do Comando do Tipo de Missão vai além de simplesmente emitir ordens e esperar resultados. É um erro presumir que o comandante subordinado cumprirá as ordens sem levar em conta que ele precisa de inteligência, suprimentos, comunicações e forças suficientes para agir de forma autônoma, usando o conceito de armas combinadas. O comandante subordinado poderá tomar decisões melhores se tiver inteligência ou informações fornecidas pelo escalão superior ou que possa obter por meio de seus próprios meios de busca (Figura 4).

Figura 4 Conhecimento, treinamento, experiência e iniciativa de comando e controle

Fonte: Elaboração própria

Por outro lado, o Controle Detalhado é menos adaptável a situações de mudança. Entretanto, dependendo do contexto, ele tem vantagens. Quando as ordens são específicas, espera-se clareza na execução. Isso também facilita a coordenação entre os comandantes subordinados. Da mesma forma, no Controle Detalhado, a obediência estrita pode desempenhar um papel importante para o benefício da operação. O controle rigoroso da execução é necessário no caso de missões em que o tempo é essencial. Ordens claras e diretas facilitarão a execução rápida. Por fim, a execução será sustentada por procedimentos padronizados. Isso pode ser útil quando são necessárias respostas previsíveis. As decisões não serão tomadas no campo, mas em níveis mais altos para serem repassadas aos comandantes subordinados. Isso pode ser eficiente em cenários específicos.

Da mesma forma, é essencial observar que as operações não lineares estão se tornando cada vez mais importantes em novos contextos de guerra. Isso destaca a necessidade de examinar essas questões considerando tanto as operações lineares quanto as não lineares. Em operações lineares, as unidades de manobra geralmente operam em áreas contíguas, enquanto em operações não lineares elas operam em áreas não contíguas.[40]

Em operações lineares, “cada força de armas integrada dirige e aplica seu poder de combate às forças inimigas em conjunto com as unidades adjacentes”.[41] Nas operações não lineares, por outro lado, os cenários são menos previsíveis e sofrem mudanças significativas, pois “um adversário oferece diferentes frentes de ação para manobras”.[42]

Com base no exposto, é compreensível que em operações lineares sejam seguidos procedimentos predefinidos para objetivos específicos, o que pode representar uma desvantagem para o Comando do Tipo de Missão. Nesse contexto, o Controle Detalhado desempenha um papel fundamental para garantir o cumprimento das ordens e permitir correções em tempo hábil. Por outro lado, em operações não lineares, em que a situação é imprevisível, o Mission Type Command permite a adaptabilidade e o aproveitamento do conhecimento dos comandantes subordinados. No entanto, o Controle Detalhado, por exigir aprovações mais altas, pode limitar a iniciativa e as oportunidades de ação nessas operações (Figura 5).

Figura 5 Comando do tipo missão e controle detalhado em operações lineares e operações não lineares

Fonte: Elaboração própria

No Mission Type Command, os comandantes subordinados dedicam uma parte significativa de seus recursos ao reconhecimento e priorizam as oportunidades em vez de concentrar as forças em ataques em profundidade. Isso exige que os comandantes subordinados sejam proficientes em diversas áreas, como navegação, comunicações e reconhecimento, além de terem a capacidade de reagir rapidamente e aproveitar as oportunidades. Além disso, a confiança e a comunicação entre o comandante e os subordinados são fundamentais, embora esse aspecto subjetivo às vezes não produza os melhores resultados na prática.[43]

Também é essencial observar que o Mission Type Command pode ser mal interpretado por aqueles que não estão familiarizados com essa filosofia. Esse método pode ser mal interpretado como se o comandante emitisse ordens para os comandantes subordinados e estes as executassem sem prestar contas até que fossem cumpridas. No entanto, o Mission Type Command é um método de comando e controle que não é desconectado. Portanto, um sistema de comunicações seguro e confiável e um planejamento detalhado são vitais.

De acordo com a análise, ambos os métodos têm vantagens e desvantagens que dependem de uma série de fatores. Por esse motivo, é importante fazer uma comparação entre eles (Tabela 1).

Tabela 1 Vantagens e desvantagens do tipo de missão Comando e controle detalhado

Factores Comando Tipo Misión Control Detallado
Ventajas Desventajas Ventajas Desventajas
Toma de decisiones Los comandantes subordinados:

  • Gozan de mayor empoderamiento y autonomía.
  • Toman decisiones sustentadas en la información obtenida en el campo.
  • La toma de decisiones puede asumir riesgos innecesarios.
  • Pueden desviarse del objetivo trazado por el escalón superior.
  • El comandante tiene mayor control sobre los comandantes subordinados.
  • Se asegura el cumplimiento de las directrices de la operación.
  • Menos adaptabilidad a situaciones cambiantes.
  • No se explota la experiencia e iniciativa de los comandantes subordinados.
Flexibilidad Mayor flexibilidad permitiendo adaptarse a cambios. Difícil coordinación centralizada. Menores posibilidades de cometer errores siguiendo la directriz de la operación. Ante situaciones cambiantes la reacción es lenta.
Iniciativa Promueve la iniciativa del comandante subordinado. El comandante subordinado puede tomar decisiones no alineadas con el propósito de la misión. Impide que se tomen decisiones que no sean autorizadas. Reduce la creatividad del comandante subordinado.
Experiencia del comandante subordinado El comandante subordinado emplea al máximo su experiencia para tomar decisiones. No siempre los comandantes subordinados cuentan con experiencia por lo que hay riesgos en la toma de decisiones. Menos probabilidad de decisiones erróneas por falta de experiencia. Limita la adopción de nuevas soluciones basadas en la experiencia.
Operaciones lineales Permite tener un mayor enfoque en situaciones predecibles. Por la falta de dirección detallada, puede tener dificultades para enfrentar situaciones inesperadas. Mayor capacidad para mantener la coherencia en el curso de acción establecido. En situaciones cambiantes puede disminuir la efectividad.
Operaciones no lineales Mayor flexibilidad para enfrentar situaciones complejas. Requiere adaptarse rápida y permanentemente a situaciones cambiantes. Menor riesgo de desviaciones no controladas en la ejecución de la operación. Lentitud en la toma de decisiones.

Fonte: Elaboração própria

Proposta de Método de Comando e Controle do Exército Peruano: Awqa Humalliq

A seguinte proposta doutrinária apresenta-se como uma abordagem aberta a possíveis melhorias e ajustes com o objetivo de promover a inovação e o debate construtivo para desenvolver uma doutrina mais eficaz e de acordo com as necessidades do PE.

Da análise do Comando de Missão e do Controle Detalhado, pode-se concluir que ambos os métodos podem ser eficazes. A eficácia de cada uma depende da natureza da operação e da capacidade dos comandantes em aplicar o método mais adequado, dependendo das circunstâncias. Neste sentido, afirma-se que o comandante tem a capacidade de escolher, de acordo com a situação específica, fatores como a sua própria personalidade, as competências e personalidades dos subordinados, as restrições impostas pelo escalão superior relativamente à assunção de riscos, a relevância. da missão no contexto da campanha, a situação logística, a capacidade de comunicação, o nível de modernização, a doutrina do inimigo, entre outros aspectos relevantes. É essencial ter em mente o que Leonhard observou: “A característica distintiva da guerra de manobra não é o método de comando e controle, mas sim a sua visão de como derrotar”.[44]

É relevante considerar as palavras do General Carlos Dellepiane, que sublinhou que a doutrina de guerra de um exército deve basear-se na sua própria história militar. Em suas palavras: “Sabemos que a Doutrina da Guerra deve ser algo íntimo de cada exército, fundada exclusiva e restritivamente no que é seu. Quem quiser aplicar aos seus a doutrina criada para uso de outro povo, em breve o fará. Se vir os seus campos cheios de soldados inimigos insolentes e zombeteiros, verá as suas mulheres assediadas, a sua bandeira em ruínas.[45]

Este trecho destaca a importância de cada exército desenvolver sua própria doutrina militar, levando em consideração sua história e necessidades específicas. Alerta para os riscos de adotar a doutrina de outro país, pois isso poderia ter consequências negativas para a segurança e o sucesso das operações militares.[46]

Neste sentido, é imperativo ter em mente que o PE tem uma linhagem militar que remonta às antigas culturas pré-hispânicas, que eram reconhecidas pelo seu carácter corajoso. Isto vai desde as civilizações Chavín, Mochica, Wari e Chimú até o auge da organização militar no Império Inca.

O método de comando e controlo, adoptado pelo PE, não deve ser considerado simplesmente como um conjunto de procedimentos ou técnicas específicas, mas como uma filosofia única e exclusiva que se baseia em valores fundamentais como a disciplina, a integridade, a dedicação ao serviço. e compromisso com a excelência.[47] Isto está enraizado em princípios profundos que são inculcados desde a formação como cadete na Escola Militar, “tornando-se hábitos e constituindo elementos indissolúveis da essência militar”.[48]

Awqa Humalliq, que significa “Líder Guerreiro” em quíchua, é uma filosofia de comando e controle que destaca as características do soldado peruano e sua linhagem de guerreiro, como mencionou Dellepiane: “Não devemos esquecer que as aptidões para a guerra que caracterizam o soldado Os soldados peruanos são excelentes, tanto que o colocam muito acima dos soldados de qualquer outro povo; sóbrio, resistente, muito disciplinado, só precisa de um comandante enérgico que saiba liderá-lo.[49]

As aptidões inatas dos soldados peruanos, descritas acima, requerem um treinamento militar único. Neste sentido, é fundamental compreender que “a coragem e a disciplina, incutidas pelo treino militar e o desejo de vitória estão acima de qualquer tecnologia militar”.[50] Segundo o autor, em qualquer circunstância, o lema que deve governar é “vencer ou morrer”.

Awqa Humalliq concentra-se no Manual de Ética Profissional para Militares do FF. AA., levando em consideração as três primeiras exigências ético-morais: “honestidade, veracidade e diligência, que se inspiram nos valores do Império Inca: Ama Sua (não roubar), Ama Lulla (não mentir) e Ama Quella (não fique ocioso)”.[51] Tendo como base esta filosofia, e tendo em conta as particularidades do PE, são propostos os pilares deste novo método de comando e controlo, que sem dúvida necessitará de avaliação:

1. A coragem como pilar fundamental. Coragem é a “forma superior de dedicação que nos dá coragem suficiente para cumprir a nossa missão, quaisquer que sejam os riscos que possam surgir”.[52] Todas as ações e decisões militares são baseadas na bravura, consequentemente, os líderes devem promover um ambiente em que a bravura seja valorizada e recompensada e onde os soldados se sintam inspirados a agir com bravura em todos os momentos.

2. Honra e Dever na Conduta. Os soldados devem compreender que a sua honra está em jogo em cada ação que realizam e que cumprir o seu dever com honra é uma obrigação inabalável. Neste sentido, “este valor implica o apoio de princípios sólidos e de força inteligente, por isso não devemos temer nada nem ninguém”. [53]

3. “Ganhe ou morra”. Torna-se o lema central deste novo método. Espera-se que os soldados o adoptem como um lembrete constante do seu compromisso com o sucesso e a superação de desafios em todas as circunstâncias. Este lema é inspirado em um momento histórico em que o General La Mar respondeu corajosamente: “Lute a batalha amanhã e vença ou morra”, durante uma conversa com o General Sucre, um dia antes de 9 de dezembro de 1824, quando ocorreu a decisiva Batalha de Ayacucho. lugar e a liberdade da América foi assegurada. [54]

4. Liderança Inspiradora. Neste método, os líderes militares desempenham um papel fundamental. Devem liderar pelo exemplo, demonstrando bravura, honra e um forte sentido de dever. É essencial que inspirem os seus subordinados através do seu comportamento e tomada de decisões. Isto está alinhado com o código de ética do FF. AA., que estabelece que “o principal método de liderança será liderar pelo exemplo”. [55]

5. Educação e Treinamento Abrangentes. A preparação constante e rigorosa torna-se um elemento chave. Os soldados devem estar preparados física e mentalmente para enfrentar qualquer situação. “A educação e o treinamento representam a mensagem mais poderosa de uma organização em relação ao desenvolvimento de líderes.” [56]

6. Ênfase na Lealdade. “Na vida militar, ser leal significa não deixar de cumprir o compromisso de amizade, respeito e reconhecimento para com pessoas ou instituições.”[57] A lealdade para com a instituição militar e para com os colegas é essencial. Entende-se que a unidade e a cooperação são essenciais para alcançar o sucesso tanto no combate como em todas as missões.

7. Respeito pela História Militar. Este método promove o respeito pela história militar e busca manter e transmitir o legado dos guerreiros peruanos do passado. Neste sentido, o estudo da história militar é fundamental para os combatentes, como destaca Salamanca,[58] pois permite-lhes aprender com os erros e acertos do passado, compreender as decisões dos chefes militares e honrar a coragem e o sacrifício daqueles que serviram no passado. .que incentiva o patriotismo.

8. Integridade. É um valor supremo neste novo método. Espera-se que os soldados ajam com integridade em todas as suas interações e tomadas de decisão, e mentir é considerado inaceitável. “Na vida militar, a pessoa como um todo inspira respeito e confiança.” [59]

De acordo com o acima exposto, o método Awqa Humalliq procura fortalecer a identidade, motivação e coesão dos membros do PE. Centra-se em valorizar a história e a mística militar, como aponta Simch: “A mística militar é a atitude coletiva de arrogância, defesa e devoção aos valores emblemáticos da organização militar e ao seu papel institucional, manifestados e demonstrados por cada um dos seus membros”. membros em todas as atividades profissionais. Sem essa mística, uma força de combate corre o risco de ficar desfigurada e entrar em um rápido processo de perda de seus distintivos.” [60] Da mesma forma, apresenta vantagens em relação ao Comando Tipo Missão, que são apresentadas na Tabela 2.

Tabela 1 Tabela Comparativa de Vários Aspectos entre o Awqa Humalliq e o Comando da Missão

Aspecto Awqa Humalliq Comando Tipo Misión
Valores centrales Valentía, honor, deber Enfoque en la comunicación de intenciones
Lema “Vencer o morir” Basado en la intención del comandante
Liderazgo Inspirador, basado en valores Comunicación de intenciones como base del liderazgo
Entrenamiento Integral, enfocado en valentía y coraje Entrenamiento enfocado en coordinación táctica
Énfasis en Valentía y coraje como pilares Autonomía táctica y coordinación táctica
Flexibilidad Adaptabilidad a situaciones inesperadas Enfoque en la misión inicial y su cumplimiento
Misión Misión basada en el cumplimiento del deber y valores militares Misión enfocada en la ejecución de la intención del comandante

Fonte: Elaboração própria

Na prática, o comandante subordinado, seguindo a filosofia de Awqa Humalliq, exerce a sua autoridade e direcção de forma eficaz, empregando métodos de comando e controlo de formas inovadoras. Isto implica uma evolução que otimiza o melhor dos métodos tradicionais, como o Comando de Missão ou o Controle Detalhado, sem simplesmente combiná-los.

No contexto da Awqa Humalliq, quando uma operação é particularmente complexa e exige a maximização da experiência e da iniciativa dos comandantes subordinados, estes recebem maior autonomia e os detalhes nas ordens são reduzidos. Porém, se o nível de risco aumentar durante a condução das operações, o comandante emitirá ordens precisas, limitando a liberdade de ação dos comandantes subordinados até o final da operação.

Quando uma operação é mal executada, a experiência do comandante subordinado pode não ser a principal preocupação, justificando o uso do Controle Detalhado. À medida que a execução avança e as informações relevantes são reduzidas, os pedidos detalhados podem diminuir. Nesta fase, o comandante subordinado aproveitará ao máximo o seu nível de treino e iniciativa, aplicando a abordagem do Comando de Missão (Figura 6).

O acima exposto constitui um exemplo do dinamismo das operações e da flexibilidade para se adaptar ao melhor método de comando e controle, dependendo da situação particular.

Figura 6 Dinamismo de Operações e Flexibilidade no Emprego do Comando de Missão e Controle Detalhado

Fonte: Elaboração própria

Conclusões

O comando e controlo, ao longo da sua evolução, tem-se revelado uma ferramenta essencial para a gestão eficiente das operações militares e organizacionais. A procura constante de um equilíbrio entre a autoridade de tomada de decisão e a execução coordenada deu origem a métodos adaptados às novas necessidades e desafios. Este desenvolvimento reflecte a importância da adaptação a circunstâncias específicas e do aproveitamento das lições aprendidas para alcançar um comando e controlo eficazes que permitam a tomada de decisões informadas e a execução bem sucedida das operações.

O Comando de Missão é o método de comando e controle preferido, porém, sua eficácia depende do nível de experiência, treinamento e capacidade de iniciativa do comandante subordinado. Portanto, na prática, o controle detalhado torna-se mais relevante. A escolha entre Comando de Missão e Controle Detalhado baseia-se na situação específica e na capacidade dos subordinados de tomar decisões informadas e consistentes com o objetivo da missão.

É importante adoptar uma filosofia de comando e controlo que se adapte à cultura organizacional e aos desafios específicos do EP. Neste contexto, o método Awqa Humalliq proposto poderia oferecer maior flexibilidade no exercício de autoridade e direção. Portanto, é aconselhável introduzir esta metodologia desde os níveis iniciais de instrução no EP.

Finalmente, Awqa Humalliq não se limita a ser apenas um método; é uma filosofia abrangente de comando e controle adotada pelo PE. Baseia-se na coragem como pilar central e promove valores essenciais como a ética, a honra e o dever. Além disso, inspira os líderes a fomentar a coragem em seus subordinados e a criar um ambiente que a valorize e recompense. Não se trata simplesmente de combinar métodos tradicionais, mas de adoptar um novo método sólido que oriente as acções militares com integridade e coragem em todas as situações.

Notas de fim:

  1. Alberts D, Hayes R. Understanding Command and Control. Austria: Ccrp Publication Series; 2006.
  2. Ejército del Perú. ME 1-134 Planeamiento de Operaciones Terrestres. (Lima: 2015), 2-13.
  3. Department of the Army. ADP 6-0 Mission Command, command and control of Army Forces. (Washington: 2019), 2-1.
  4. Ibíd., 2-1.
  5. Kiyosaki R. 8 Lessons in Military Leadership for Entrepreneurs: How Military Values and Experience Can Shape Business and Life. (Estados Unidos: Plata Publishing, 2015).
  6. Department of the Army. FM 6-0 Mission Command: command and control of Army Forces (Washington: 2003), 3-1.
  7. Department of the Army. ADP 6-0, 3-1.
  8. Ibíd., 4-1.
  9. Real Academia Española. Filosofía. 34.ª ed. Real Academia Española (Madrid: RAE, 2005), 1 https://www.dle.rae.es/filosofía (consultado el 3 de octubre de 2023).
  10. Real Academia Española. Método. 34.ª ed. Real Academia Española (Madrid: RAE, 2005), 1 https://www.dle.rae.es/método (Consultado 17 de septiembre de 2023).
  11. Department of the Army. FM 6-0 Mission Command: command and control of Army Forces (Washington: 2003), 1-14.
  12. Finney N, Klug J. Mission Command in the 21st Century. Empowering to win in a complex world. Fort Leavenworth (Kansas: The Army Press), 1 https://www.armyupress.army.mil/Portals/7/Primer-on-Urban-Operation/Documents/mission-command-in-the-21st-century.pdf
  13. Alberts D, Hayes R. ,31.
  14. Leonhard R. The art of maneuver: Maneuver-Warfare Theory and Airland Battle (New York: Ballantine Books, 1991).
  15. Gloffka A. ¿Un Waterloo del siglo XXI? Fomentar la libertad de acción frente a la incertidumbre. Military Review (mayo – agosto 2014), 66. https://www.armyupress.army.mil/Portals/7/militaryreview/Archives/Spanish/MilitaryReview_20140831_art010SPA.pdf (consultado el 13 de agosto de 2023).
  16. Department of the Army. ADP 6-0, vii.
  17. Widder W. Auftragstaktik and Innere Führung: Trademarks of German Leadership. Military Review (setiembre – octubre 2002), 3 https://www.armyupress.army.mil/Portals/7/Hot-Spots/docs/MC/MR-Sep-Oct-2002-Widder.pdf (consultado el 13 de agosto de 2023).
  18. Sharpe J, Creviston T. Understanding mission command. U.S. Army. 2015, https://www.army.mil/article/106872/understanding_mission_command (consultado el 13 de agosto de 2023).
  19. Ancker C. La evolución del mando tipo misión en la doctrina del Ejército de EUA, desde 1905 hasta el presente. Military Review (marzo – abril 2013), 65 https://www.armyupress.army.mil/Portals/7/militaryreview/Archives/Spanish/MilitaryReview_20130430_art010SPA.pdf (consultado el 13 de agosto de 2023).
  20. Ibíd., 66.
  21. Ibíd.
  22. Ibíd.
  23. Ibíd., 67.
  24. Ibíd., 72.
  25. Department of the Army. ADP 6-0, 1-3.
  26. Finney N, Klug J., vii.
  27. Ibíd., x.
  28. Department of the Army. ADP 6-0,1-7.
  29. Ejército del Perú. ME 1-134, 2-8.
  30. Ejército del Perú. MF 6-0 Comando de misión, (Lima: 2018), 2.
  31. Leonhard R.,121.
  32. Eisel G. Befehlstaktik and The Red Army Experience: Are There Lessons for Us? (EE. UU: School of Advanced Military Studies United States Army Command and General Staff College, 1992), 17 https://apps.dtic.mil/sti/tr/pdf/ADA262662.pdf
  33. Sloan G. Military Doctrine, Command Philosophy and the Generation of Fighting Power: Genesis and Theory. International Affairs (Royal Institute of International Affairs 1944), vol. 88, no. 2, 2012, 243–63 http://www.jstor.org/stable/41428604 (consultado 1 de octubre de 2023).
  34. Leonhard R.,122.
  35. Eisel G.,17.
  36. Sloan G., 46.
  37. Ejército del Perú. MF 6-0, VII.
  38. Decreto Legislativo que regula el régimen disciplinario de la Policía Nacional del Perú. Decreto Legislativo N° 1268/2016 del 16 de diciembre. Diario Oficial del Bicentenario El Peruano, N° 13902 (19 de diciembre de 2017).
  39. Leonhard R. ,120.
  40. Ejército del Perú. ME 1-13 Operaciones. Lima: 2015., 4-12 – 4-13.
  41. Ibíd., 4-13.
  42. Ibíd., 4-12.
  43. Ibíd., 123.
  44. Ibíd., 124.
  45. Dellepiane C. Historia Militar del Perú, Tomo Primero (Lima: Ministerio de Guerra, Biblioteca Militar del Perú, 1977).
  46. Ejército del Perú. MD 1-0 Ejército del Perú (Lima: 2019), 1.
  47. Ibíd., 38 – 39.
  48. Ibíd., 38.
  49. Dellepiane C.,123.
  50. Jiménez L. Maquiavelo, la guerra y el “soldado ciudadano”. Revista filosófica Open Insight, Querétaro, v. 9, n. 15, (Junio 2018), 125-145, http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S200724062018000100125&lng=es&nrm=iso (consultado l 7 de octubre de 2023).
  51. Ministerio de Defensa del Perú. Manual de Ética Profesional del Personal Militar de las Fuerzas Armadas del Perú (Lima: 200).
  52. Ibíd., 21.
  53. Ibíd., 15.
  54. Ricardo Palma, “Pan, queso y raspadura”, En Tradiciones peruanas. Segunda serie. Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes, (2000), https://www.cervantesvirtual.com/obra-visor/tradiciones-peruanas-segunda-serie–0/html/ff16c636-82b1-11df-acc7-002185ce6064_6.html#I_49.
  55. Ministerio de Defensa del Perú, 8.
  56. Sullivan G. Hope Is Not a Method: What Business Leaders Can Learn from America’s Army. Reino Unido, Crown: 2010.
  57. Ministerio de Defensa del Perú,10.
  58. Salamanca A., Historia Militar: su importancia. Boletín de Historia Militar [Internet], (12 de febrero de 2020), https://revistascedoc.com/index.php/bhm/article/view/384. (Accessed October 7, 2023).
  59. Ministerio de Defensa del Perú, 11.
  60. Simch J. O caráter dos soldados (Brasil: Biblioteca do Exército Editora, 2001).

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

As ideias contidas nesta análise são de responsabilidade exclusiva do autor, sem refletir necessariamente o pensamento do CEEEP ou do Exército Peruano.

Imagem:CEEEP

NEWSLETTER